Risco Físico: entenda o que é e quais os tipos existentes

Os riscos físicos estão presentes em praticamente todos os ambientes de trabalho e atividades que envolvam a utilização de ferramentas, máquinas e, dependendo da atividade, até mesmo nas condições do meio ambiente.

Por se tratarem de riscos que afetarão principalmente a longo prazo, os riscos físicos demandam uma atenção especial por parte da equipe de segurança do trabalho, que deverá adotar as medidas necessárias para sua neutralização e controle.

A presença dos riscos físicos em uma atividade de trabalho ou ambiente poderá tornar a atividade insalubre, caso não seja adotada as medidas necessárias para seu controle.

riscos fisicos

É importante ressaltar que é possível manter as atividades dentro de níveis seguros quanto aos riscos físicos, desde que sejam os mesmos avaliados periodicamente e que as medidas de controle adotadas sejam implementadas e seguidas corretamente.

O que é risco físico?

Riscos físicos são riscos ambientais que tem origem em diversas fontes de energia, propagadas pelo ambiente de trabalho.

Estes riscos podem possuir diversas fontes de origem, sendo necessário a avaliação técnica do local e da atividade a ser realizada para a implementação das medidas de controle necessárias.

Leia também: Mapas de Riscos: 4 modelos prontos para baixar

Em geral, os riscos físicos podem causar danos a curto, médio e longo prazo, porém, é mais comum a constatação de danos à saúde do trabalhador após a exposição prolongada aos riscos acima do limite de tolerância.

Desta forma, os riscos físicos são uma das principais causadoras de doenças ocupacionais, tais como perda de audição em ambientes muito ruidosos.

Tipos de Riscos Físicos

Os riscos físicos podem estar presentes em diversas formas no ambiente de trabalho e sua fonte de risco pode ser devido as condições do local ou da natureza da atividade. Dentre os riscos, podemos citar:

Vibrações causadas em atividades que envolvam equipamentos e ferramentas de impacto, tal como britadeiras;

Ruídos causados por equipamentos, ferramentas ou originados na atividade, podendo o ruído ser de impacto, constante ou intermitente;

Radiação ionizante devido a exposição ao Sol;

Radiação não ionizante devido a atividades de solda, por exemplo;

Exposição a umidade em determinados locais de trabalho;

Temperaturas extremas (calor ou frio excessivo) devido ao ambiente ou a atividade a ser realizada;

Pressões atmosféricas anormais.

Riscos Físicos x Segurança do Trabalho: como preveni-los?

Os riscos físicos estão presentes em praticamente todas as atividades e ambientes de trabalho. Porém, é possível determinar as fontes de risco e controlar a exposição dos trabalhadores.

Para isso, a equipe de segurança do trabalho deverá implementar as devidas medidas de controle para neutralizar os riscos, ou mantê-los abaixo dos limites de tolerância.

O primeiro passo a ser seguido e a realização da APR (Análise Preliminar dos Riscos), fazendo um levantamento qualitativo de todos os riscos presentes em cada ambiente de trabalho da empresa.

Após a realização da APR, deverá ser feito uma avaliação quantitativa dos mesmos, formulando o LTCAT (Laudo Técnico das Condições do Ambiente de Trabalho).

A partir dessas informações, será elaborado então o PPRA e PCMSO, que são programas que atuam em conjunto, elaborando as medidas de controle dos riscos e realizando os exames médicos para constatação da eficácia das medidas implementadas.

As medidas de controle deverão ser implementadas seguindo a ordem de:

Medidas de controle coletivo – instalações de equipamentos de controle coletivo (EPC), alterações de layout, alterações nas atividades ou procedimentos, adaptação de ferramentas, máquinas ou equipamentos, implementação de estruturas de proteção coletiva no local, sinalização dos riscos presentes no ambiente de trabalho, etc.

Medidas de controle individual – fornecimento, treinamento e utilização de equipamentos de controle individual (EPIs) adequados para cada risco presente no ambiente de trabalho.

Ao realizar os procedimentos de segurança, neutralizando e controlando os riscos físicos presentes no ambiente abaixo dos limites de tolerância, a atividade poderá ser realizada de forma segura, em um ambiente não insalubre.

Qual a diferença entre riscos físicos, químicos e biológicos?

Tanto os riscos físicos, como os riscos químicos e biológicos são considerados riscos ambientais, e estão presentes em praticamente todos os ambientes de trabalho, e podem ser controlados através das medidas de controle.

A principal diferença entre eles é a sua fonte de origem.

Os riscos físicos são riscos que originam de fontes de energia atuando sobre o ambiente de trabalho, e expondo o trabalhador a vibrações, calor, ruídos, umidade, baixa luminosidade e etc.

Riscos químicos são riscos que originam de produtos químicos ou através dos resíduos eliminados na realização de uma atividade, tais como gases, fumos, névoas, neblinas, poeiras, dentre outros.

Riscos biológicos estão presentes na forma de agentes biológicos (potencialmente patológicos) que podem causar doenças ou acidentes, tais como vírus, bactérias, protozoários, fungos, animais peçonhentos, parasitas, dentre outros.

Durante a realização da APR, é possível identificar a presença de cada um dos tipos de agentes de riscos e adotar medidas especificas para a neutralização e controle de cada risco, tornando o ambiente de trabalho seguro.

É importante ressaltar que a atuação dos agentes de risco pode ocorrer a longo prazo, devido a exposição prolongada aos mesmos.

Portanto, é necessário sempre realizar avaliações médicas periódicas e avaliar as condições do local de trabalho, através de avaliações técnicas dos riscos presentes.

Desta forma, é possível manter todos os riscos, sejam eles químicos, biológicos ou físicos dentro dos limites de tolerância.

Veja ainda: PCA: o que é e quais os benefícios para a empresa

Deixe um comentário