EPI: veja exemplos e sua importância para proteção individual

Os EPIs são medidas que devem ser adotadas em todas as atividades que contenham riscos ao trabalhador. Sua implementação é regida pela NR 6, sendo parte importante das medidas de segurança e saúde que devem ser implementadas.

A exposição do trabalhador a riscos pode causar danos, sejam eles de caráter temporário ou permanente, e ocorrendo a curto, médio e longo prazo. Desta forma, a utilização do EPI é um fator que irá reduzir ou neutralizar a exposição do trabalhador, mantendo-o seguro para a execução das suas atividades.

Todos os EPIs devem possuir um Certificado de Aprovação, fornecido após testes de eficiência por órgãos do Ministério do Trabalho e Emprego.

Significado de EPI

Equipamentos de Proteção Individual, os EPIs são medidas de proteção que cada trabalhador deve utilizar, individualmente, para prevenir-se de riscos do ambiente de trabalho, ou reduzir possíveis danos, caso ocorra um acidente.

Os EPIs são de uso individual e não podem ser compartilhados entre os trabalhadores, sendo que cada atividade deve adequar a utilização de equipamento apropriado, prevenindo danos à saúde ocupacional do trabalhador.

epi

Para que serve o EPI

O EPI serve para reduzir, eliminar ou prevenir danos à saúde do trabalhador. É utilizado em caráter individual, sendo que sua utilização deve ser priorizada em todas as atividades que possuam riscos a curto, médio e longo prazo de exposição.

Veja também: EPC: conheça as vantagens e veja exemplos

O EPI é uma medida que deve ser adotada após todas as outras medidas de controle coletivo serem implementadas, com o intuito de reduzir ou eliminar os riscos. Desta forma, o EPI é uma das medidas que irão garantir a eficiência do sistema de segurança elaborado para a realização segura das atividades.

Ou seja, a função do EPI é atuar na prevenção, garantindo que, em caso de exposição a um risco, o trabalhador tenha os impactos a sua saúde reduzidos ou eliminados.

Tipos e Exemplos de EPI

Existem diversos tipos de EPIs, sendo que cada modelo deve ser utilizado para uma atividade especifica. Podemos citar, por exemplo:

  • Uniforme de trabalho;
  • Capacete de segurança;
  • Óculos de segurança (com lentes escuras ou transparentes, de acordo com a iluminação do local);
  • Protetor auricular (tipo concha ou plug);
  • Botina de segurança;
  • Luvas de segurança, sendo que cada atividade requer um tipo especifico de luva para sua realização, como as luvas de corte para manuseio de facas ou objetos cortantes, as luvas de látex ou borracha para utilização de químicos, entre outras;
  • Máscaras e respiradores, sendo que cada atividade requer um tipo especifico de máscara, como a PFF2, ou os respiradores com filtro;
  • Avental de segurança;
  • Macacão Tyvek e Tychem.

EPI e EPC: entenda a diferença

Os EPIs são proteções individuais, que não devem ser compartilhados entre os trabalhadores, e que possuem o intuito de prevenir acidentes ou reduzir os impactos a exposição dos trabalhadores ao risco.

Enquanto a sua utilização é de extrema importância para a segurança e saúde ocupacional do trabalhador, seu intuito principal é garantir que o mesmo não venha a adquirir danos ou lesões, através da redução do impacto causado pela exposição ao risco ou acidente.

Você vai gostar de ler: Temas para Diálogo Diário de Segurança (DDS)

Em comparação, os EPCs são medidas de controle coletivos. Ou seja, seu intuito é atuar diretamente no ambiente de trabalho, com a implementação de sistemas de proteção ou medidas que eliminem totalmente o risco, ou diminuam a sua concentração, promovendo um ambiente mais seguro para todos os trabalhadores ou pessoas expostas ao local.

A implementação dos EPCs devem ser as primeiras medidas a serem adotadas em um sistema de segurança do trabalho. É o primeiro passo para a eliminação total dos riscos presentes.

Porém, nem sempre é possível eliminar completamente os riscos do ambiente de trabalho, sendo então utilizados EPIs para garantir a segurança ideal para realizar as atividades.

EPI x Segurança do trabalho

A segurança do trabalho é um fator de extrema importância para a empresa, para os trabalhadores e para a sociedade, sendo que em cada atividade deve ter a segurança como fator principal para a sua execução.

Os danos causados por acidentes do trabalho, por vezes, causam prejuízos imensuráveis a todos os envolvidos.

Desta forma, cabe a todas as empresas e trabalhadores, adotarem as medidas de segurança necessárias em cada atividade realizada, para garantir que não ocorram acidentes e danos, seja aos trabalhadores, aos bens da empresa ou ao meio ambiente.

Dentre as medidas de controle que promovem a saúde e segurança do trabalhador, os EPIs possuem um grande destaque.

É comum percebermos que, em determinadas situações, apenas o uso de um EPI é o suficiente para garantir que o trabalhador não venha a sofrer danos a sua saúde.

O empregador é o responsável por fornecer, sem custos, todos os EPIs necessários para a realização das atividades de forma segura, sendo que ao trabalhador, é obrigatório o uso correto do mesmo, assim como higieniza-lo após o seu uso e armazena-lo, preservando o mesmo.

Sempre que um EPI estiver danificado, o empregador deve realizar a sua troca, sem gerar custos ao trabalhador.

A Norma Regulamentadora 6, da Portaria 3.214 de 1978 é a normativa que rege a adoção dos EPIs nas atividades de trabalho.

Ela define todos os padrões que devem ser adotados quanto ao uso dos EPIs, as responsabilidades do empregador e do trabalhador, bem como as características legais que devem ser seguidas.

Importância da conscientização para o uso do EPI

O EPI possui uma importância vital para toda a sociedade, para o trabalhador e para as empresas. Sua simples utilização correta pode garantir que um trabalhador não sofra de impactos a exposição a um risco ou acidente.

Podemos citar, por exemplo, o uso do abafador de ruídos.

Os ruídos são riscos comuns de ambientes de trabalho, principalmente em áreas industriais. Segundo a NR 15 de Atividades e Operações Insalubres, o limite de tolerância máximo para exposição a ruídos é de 85 dB, para uma rotina de 8 horas de trabalho.

Desta forma, a utilização correta dos protetores auriculares, seja modelo de concha ou plug, pode reduzir a exposição do trabalhador a níveis bem abaixo, garantindo que o mesmo não venha a adquirir uma lesão, temporária ou permanente, a sua audição.

A utilização dos EPIs pode prevenir acidentes fatais, tais como o uso do cinto para trabalho em altura em conjunto com trava quedas e talabarte.

Em uma situação aonde o trabalhador realizando a atividade em altura, por qualquer motivo que seja, venha a sofrer uma queda, a utilização dos EPIs é o suficiente para prevenir que o mesmo sofra de lesões graves ou fatais.

Portanto, é de extrema importância que, tanto as empresas quanto os trabalhadores, para garantir máxima eficiência na prevenção de acidentes e promoção da saúde, estejam sempre atentos quanto a boa utilização, da higienização e do armazenamento dos EPIs.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *