Tipos de extintores de incêndio e suas aplicações


Os extintores são equipamentos de proteção e combate a incêndios mais importantes para os ambientes de trabalho.

Os focos de incêndio podem ocorrer de diversas formas, seja por reações químicas, por excesso de temperatura, problemas elétricos, dentre vários modos.

Desta forma, é necessário que extintores estejam sempre disponíveis, em locais estratégicos e de fácil acesso, permitindo que o combate ao foco ocorra imediatamente, evitando que o mesmo saia do controle.

É recomendado também que os funcionários recebam treinamentos sobre o uso e a importância do extintor.

Leia também: EPC: conheça as vantagens e veja exemplos

O combate ao incêndio é um dos principais programas de segurança que deve ser adotado, devido aos imensos prejuízos que podem ocorrer em um incêndio de grandes proporções, seja este para a sociedade, para os trabalhadores, para a empresa ou o meio ambiente.

Incêndio

O fogo é uma reação química resultante da queima de oxigênio, material combustível e temperatura elevada (calor). Para que o fogo ocorra, é necessário que os 3 fatores estejam presentes, formando o chamado triângulo do fogo.

extintores

Quando o fogo fica fora do controle humano, o mesmo é chamado de incêndio. O incêndio inicia-se em um foco. O foco inicia-se em um determinado ponto, e pode espalhar-se rapidamente, ganhando enormes proporções.

O método para combater focos de incêndio se resume a:

  • Abafamento: é o método que utiliza a retirada do oxigênio através do abafamento do foco de incêndio. Sem o oxigênio, não é possível continuar a reação originária do foco de incêndio.
  • Resfriamento: é o método que utiliza a retirada do calor, eliminando o foco através de resfriamento a base de água ou outros métodos de resfriamento.
  • Isolamento: é o método que utiliza o isolamento do foco de incêndio, retirando das proximidades todos os tipos de materiais que serviriam de combustível. Normalmente é utilizado em focos com maior dificuldade de combate, tais como grandes incêndios, óleos e etc.

O que é um extintor?

Extintor de incêndio é um equipamento de combate a incêndios, projetado para controlar pequenos focos, sendo esses aplicados especificamente para tipos específicos de focos de incêndio.

O extintor é o primeiro item de combate ao incêndio, sendo a sua utilização primordial no início do foco, não permitindo que o mesmo se espalhe. Porém, a partir do ponto aonde os focos ganham grandes proporções, é recomendado o uso de outros métodos de combate.

Tipos de Extintores e suas aplicações

Os extintores possuem modelos apropriados para os diversos tipos de foco, sendo utilizados especificamente para cada situação. Podemos citar, como exemplo:

tipos de extintores

Foco de incêndio Tipo A

Foco com base em materiais orgânicos, tais como madeiras, borrachas, papeis, plásticos. O modo de combate é através do resfriamento e utiliza-se o extintor a base de água (H2O).

Foco de incêndio Tipo B

Foco com base em líquidos e gases inflamáveis, ou sólidos que entram em estado de liquefação ao entrar em combustão. Neste caso, é recomendado o uso de extintores a base de pó químico seco ou de CO2. Não se deve utilizar extintores a base de água, pois a mesma pode reagir com o químico, aumentando a proporção do foco de incêndio. O método de combate é a base de abafamento e resfriamento.

Foco de incêndio Tipo C

Foco com base em equipamentos elétricos energizados. O combate a este tipo de foco deve ser feito com CO2 ou pó químico seco (PQS), e nunca deve ser utilizado extintores a base de água. O método utilizado é através do abafamento e resfriamento.

Foco de incêndio Tipo D

Foco com base em metais combustíveis ou pirofóricos, como o magnésio, selênio, lítio, dentre outros. O combate é feito através do uso de extintor especifico para a classe D, sendo sua base constituída de cloreto de sódio. O método utilizado é através de abafamento e isolamento.

Foco de incêndio tipo K

Foco com base em óleos vegetais, animais ou minerais utilizados em cozinhas principalmente. O combate é feito através do uso especifico do extintor tipo K, que possui uma base alcalina para reagir diretamente com o óleo, minimizando o calor. O nome dado a reação é saponificação.

Classificação dos extintores

tabela de classificação dos extintores

Os extintores podem ser classificados em:

  • Tipo A – base em água (H2O);
  • Tipo B – base em pó químico seco (PQS);
  • Tipo C – base em CO2;
  • Tipo D – base em cloreto de sódio;
  • Tipo K – base em agentes alcalinos específicos;
  • Tipo BC – base em pó químico utilizado em líquidos, sólidos e gases, composto por bicarbonato de sódio;
  • Tipo ABC – base em um composto químico de monofosfato de amônia, utilizado para combater incêndios de classes A, B e C.

Prazo de validade e recarga dos extintores

O prazo de validade para um extintor varia de acordo com suas condições. Antes de falarmos sobre sua validade, é preciso compreendermos algumas características básicas que compõem o extintor.

As cargas dos extintores são pressurizadas. Desta forma, o extintor deve possuir um manômetro indicando a sua pressurização. Sempre que um extintor estiver fora dos padrões de pressurização, o mesmo deve ser encaminhado para manutenção.

Confira: EPI: veja exemplos e sua importância para proteção individual

Após isto, há o rótulo do extintor, que deve conter informações como o tipo de extintor e a recomendação de utilização em cada foco de incêndio, bem como as informações relativas a última verificação e manutenção realizada, e qual é o prazo para uma nova verificação.

Se o rótulo estiver danificado ou ilegível, o extintor deve ser encaminhado para manutenção.

Todo extintor deve possuir também um lacre de segurança, que garante que o mesmo não foi utilizado.

Uma vez que o lacre for rompido e o extintor tenha sido utilizado, mesmo que não tenha sido utilizado a carga completa, o mesmo deve ser encaminhado para manutenção.

O prazo de validade do extintor vai de acordo com seu tipo, carga utilizada, pressão e etc.

Não há como definir exatamente quanto tempo o extintor estará utilizável, portanto, as empresas que realizam manutenção indicam um prazo para nova verificação do mesmo, porém, o ideal é que seja realizado uma verificação periódica dos extintores, conferindo se o mesmo está dentro dos padrões normais de uso.

Em geral, o casco do extintor tem uma vida útil média de 5 anos, porém, se conservado em boas condições, pode durar até mais tempo. O ideal é que seja sempre realizado uma verificação das condições do extintor, para detectar previamente qualquer dano a sua estrutura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *